Uma coisa que ninguém vai ler – Um cavalo! Um cavalo! O meu teledisco por um cavalo! – Crónica de Nuno Pontes

Olá, estimados e estimadas. Um bem-haja a todos e todas, excepto aos casais que possuem conta conjunta no Facebook. Por cada conta conjunta que surge numa rede social, morre um golfinho bebé. A quem possui este flagelo da sociedade, eu recomendo que se livrem dele – cada conta apagada equivale a um ser humano que concretiza o seu sonho de voar.

Na Etiópia.

Se estiver vento.

Adiante. Madonna esteve a gravar um teledisco num palácio em Belas, e aparentemente terá ficado muito chateada porque a câmara de Sintra não permitiu a entrada de um cavalo no interior do palácio, cavalo esse que iria interagir com a estrela da Pop. A grande questão, aqui, é: que tipo de interacção, especialmente sabendo que o cavalo estaria deitado no chão? Todos nós sabemos que Madonna é danada para a brincadeira, e que cavalos já foram utilizados em todo o tipo de situações – Cicciolina que o diga.

Madonna não pôde brincar com o cavalo por motivos de segurança – o chão poderia ser danificado, e danificar o chão por motivos de chafurdice animal entre um cavalo e uma vaca é só parvo. A frustração apoderou-se da alegada Rainha da Pop, que se queixou de dar muito a Portugal e não receber nada em troca. Ainda não percebi muito bem o que ela nos deu, a não ser uma desagradável sensação de vergonha alheia. Estamos muito felizes com isso, Madonna. Não te admires se, em troca, te dermos um pontapé no rabo. Ou um coice.

Não era preciso fazer birra, sua menina mimada. Já que querias mostrar Portugal ao Mundo, mostravas uma das nossas maiores qualidades: somos francamente bons no que toca a desenrascar-nos. Arranjavas um cavalo de pau para o lugar do verdadeiro. Tudo bem, não é um cavalo de pau feito, mas fazias o que tinhas a fazer com ele e pronto. Raios partam estas estrelas decadentes.

Publicidade

Até para a semana, seus fofos de Belas.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.