Crítica – Uma fantasia mexicana da Disney

Crítica a “Coco”, de Lee Unkrich e Adrian Molina.

É uma alegria ver a Disney/Pixar restituir valores fundamentais à sua animação, depois de alguns filmes sem alma… A família, a música, o poder dos sonhos, tudo isto impregna a história de Coco de uma forma, ao mesmo tempo, clássica e original.

Acima de tudo, a singularidade do filme está na dimensão cultural: uma viagem colorida e emotiva ao México, a partir da tradição do Dia dos Mortos. É nesse contexto que o protagonista, um menino que deseja ser músico contra a vontade dos familiares, vai dar consigo na fantástica Terra dos Mortos, à procura de uma bênção que realize a sua vontade.

E esta é uma aventura genuinamente criativa, até no aspeto visual, com personagens muito consistentes e um admirável fôlego narrativo.

Publicidade

Fonte: Crítica – Uma fantasia mexicana da Disney

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *